criminalidade

Balanço da PM aponta prejuízo ao mundo do crime

Em 2021, o crime organizado sofreu prejuízo de mais de R$ 9 milhões em função das ações da operação Hórus/Vigia

21/07/2021 23h38
Por: Redação

 No balanço dos seis primeiros meses de 2021, da operação Hórus/Vigia, contra o crime organizado nas divisas do Estado do Tocantins, os dados demonstram que houve uma grande evolução nos indicadores criminais, se comparados com os números de 2020, com destaque para as ocorrências de recuperação de veículos, cujo trabalho da Polícia Militar do Tocantins é referência no Brasil. Em 2020, a PMTO recuperou 57 veículos; e em 2021, foram 182.

Em 2020, não houve apreensão de maços de cigarro ilegal e em 2021, até o momento, as ações da Operação Hórus/Vigia resultaram na apreensão de 1.776 maços do produto oriundo do crime organizado.

O tráfico de drogas também sofreu prejuízo significativo dentro da Operação, que registrou um aumento de mais de 140% nas apreensões, passando de 510 gramas de entorpecentes em 2020, para 751,65 kg nos primeiros meses de 2021, desarticulando e enfraquecendo as organizações criminosas.

Nesse período, as forças de segurança da PMTO impuseram grandes perdas aos criminosos e em números, o prejuízo direto ao crime, passou de R$ 2.800.220 em 2020, para R$ 9.326.408 em 2021.

Os resultados da operação Hórus/Vigia no Tocantins estão diretamente ligados a três fatores preponderantes como o envolvimento e a atuação dos operadores, ao apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública e à estratégia desenvolvida pela Polícia Militar do Tocantins que mapeou o Estado em 12 regiões, com lançamento diário de 50 operadores por dia em pontos sistematicamente pré-definidos, com o objetivo de blindar o Tocantins, o que consequentemente afasta e impede a entrada de criminosos e produtos de crimes nas divisas do Estado.

Em uma das ações, no dia 27 de maio de 2021, a Polícia Militar prendeu quatro pessoas em flagrante por tráfico interestadual de drogas no posto fiscal localizado no município de Araguaçu. Durante a ação, onde uma equipe do Comando de Operações de Divisas (COD), juntamente com uma equipe do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), teve que aguardar por doze horas, em um bloqueio, a chegada dos veículos com os entorpecentes, os policiais militares apreenderam 120 kg de substância análoga à maconha. Com a apreensão da carga e dos veículos, o prejuízo estimado ao crime foi de R$ 120 mil.

Para o comandante do Policiamento Especializado (CPE) coronel Márcio Antônio Barbosa de Mendonça, o trabalho integrado e colaborativo com o Ministério da Justiça e Segurança Pública é fundamental para o sucesso da Operação. “Os resultados são reflexo da determinação dos policiais militares do Tocantins e do trabalho integrado com outras forças de segurança pública, o que tem enfraquecido a ação dos criminosos em nosso território”, destacou. 

Para o comandante-geral da Polícia Militar do Tocantins, coronel Júlio Manoel da Silva Neto, o combate ao crime organizado nas fronteiras é prioridade. “Precisamos, cada vez mais, lutar contra a criminalidade de forma resistente para trazer resultados positivos no combate às organizações criminosas que se aventurarem nas divisas do Estado”.

Programa Vigia

O Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas (Vigia), da Secretaria Nacional de Operações Integradas (Seopi), completou dois anos e se consolida como uma ação estratégica para o combate ao crime organizado e à repressão aos crimes transnacionais em todas as regiões de fronteira e divisas do país.

O Vigia atua em três eixos: operações, capacitações, e aquisições de equipamentos e sistemas. O Programa está presente em 15 estados: Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Acre, Rondônia, Tocantins, Goiás, Roraima, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Pará, Amapá, Rio Grande do Norte e Ceará. O programa segue as diretrizes do Sistema Único de Segurança Pública (Susp), com foco na atuação integrada, coordenada, conjunta e sistêmica entre as instituições.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.